Este foi o tema da palestra que proferi no Seminário A Umbanda e a Sociedade na UERJ.
Meu entendimento é de que os Princípios da Proporcionalidade e da Ponderação de Interesses, ou seja, a prevalência do direito de todos devem prevalecer e os rituais com utilização de animais não estão autorizados pela Constituição.
Na foto, com a Umbandista Eliane Felinto e com a Candomblecista Telma Gama.

Com muita satisfação, participei hoje (25/5/2015) da solenidade de abertura do Seminário “A Umbanda e a Sociedade”, na UERJ, sob a direção de Eliane Felinto– Eliane de Ogum – Mãe Pequena da Casa Branca de Omolú – que contou com a brilhante participação do Coral da Petrobrás.

Questões relevantes como o problema do bullying nas escolas, a violência contra a mulher, a intolerância religiosa, os problemas relacionados com a saúde mental (álcool e drogas), a não utilização dos animais nos rituais e meio ambiente são assuntos importantes que serão abordados pela OAB/RJ, pelo Ministério Público, Defensoria Pública e Magistrados.

Na oportunidade, conheci a Sra. Telma Gama, Coordenadora do Programa de Estudos e Pesquisas das Religiões – PROEPER – que tem como finalidade a construção de relações verdadeiras com todas as lideranças religiosas.
Ao final, fui presenteado por ela com a camisa do Centro de Ciências Sociais/PROEPER/UERJ.

Agradeço o carinho, o respeito e a deferência com que fui recebido.
E, abrindo o diálogo, vamos avançando. Um passo de cada vez.