Entendo que a vontade popular deve ser respeitada.
Agradeço a gentileza do presidente Marcus Monteiro, que sensibilizado com os argumentos de todos que compareceram à reunião, adiou os estudos com relação à declaração de patrimônio cultural e imaterial da charretes.
Clique na foto para ler a matéria completa e saber como foi a reunião.

Veja o texto:

O presidente da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB do RJ, Reynaldo Velloso, participou nesta segunda-feira (17) de reunião no Instituto Estadual do Patrimônio Cultural para debater a intenção do INEPAC em declarar que as charretes de Petrópolis seriam patrimônio cultural imaterial do RJ.

Ele disse que a participação da CPDA na causa, compreende o diálogo, objetivando um lar para os animais, a empregabilidade dos profissionais que deixarão a atividade e o fomento do turismo da Cidade. “Realizamos recentemente o Seminário Animais de Tração, exatamente para discutirmos estas situações e buscarmos soluções através do diálogo para garantirmos o emprego dos profissionais, o descanso merecido para os eqüinos e o turismo na Cidade”, disse Velloso.

Após longos debates, Velloso defendeu que a vontade popular que será determinada no Plebiscito de 7/out seja respeitada e que a medida não seja tomada antes desta data.”No caso de desrespeito à vontade popular, iremos recorrer ao Judiciário para solicitar a anulação do possível tombamento, disse.

Todos concordaram com esta proposta, inclusive a direção da instituição.

Foram discutidos os maus-tratos inerentes nos manejos dos animais, o enorme peso das vitórias e de passageiros que na sua maioria ultrapassam os 70 kg permitidos, as ruas com paralelepípedos e ladeiras dificultando ainda mais a tração, a permanência dos animais o dia inteiro sob sol ou até chuva de granizo, como ocorreu esta semana, sem poderem se abrigar, o impacto dos arreios e bridões em animais extremamente sensíveis.

Na ocasião, a psicóloga e ativista de Paquetá, Silvia Mibielli, lembrou de pesquisa realizada na Austrália em que os cientistas afirmam a sensibilidade da pele dos cavalos. “Eles possuem pele mais fina e maior concentração de terminais nervosos, portanto sentem mais dores que os humanos.

Para Carlos Eduardo Pereira, presidente da GAPA-Itaipava, esta atividade é antiquada e já perdeu sua razão no tempo.

Já Elisabeth MacGregor, se prontificou a coordenar ações que possibilitem um lar para os cavalos.

Presentes os dois vereadores que presidem as Frentes na cidade: Gilda Beatriz, pró fim das charretes, defendeu o Plebiscito e Wanderley Taboada, contra o encerramento das atividades, disse que as charretes são tradição na Cidade de Petrópolis.

O presidente do INEPAC, Marcus Monteiro, que conduziu a reunião, afirmou que a instituição foi provocada a abrir procedimento administrativo de reconhecimento da atividade dos charreteiros em Petrópolis, mas vai respeitar a vontade popular e só irá se pronunciar após a realização do plebiscito.

A reunião foi longa e com muitos debates. A mesa com o presidente do INEPAC, Marcus Monteiro (azul), Reynaldo Velloso (terno), Silvia Mibielli, Elizabeth MacGregor, Carlos Eduardo (GAPA-Itaipava), os vereadores Gilda, Wanderley Taboada, representantes dos charreteiros, ativistas e técnicos.

Fonte: Portal Jus Brasil Notícias   –  18/9/2018.

Disponível em: https://faunacomunicacao.jusbrasil.com.br/noticias/626706978/luta-pelos-cavalos-de-petropolis-tem-a-primeira-vitoria-inepac-adia-estudos-para-tombamento-das-charretes